Curso de PJ-e em Varginha

 em caamg, caavanguarda, Institucional

Ontem (13/08), os advogados e advogadas da 20º subseção/ Varginha receberam o curso de PJ-e realizado na sede da subseção e oferecido sem custo pela Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais – CAA Vanguarda.

O presidente da 20º subseção, Ubirajara Franco Rodrigues esteve presente e citou as dificuldades que a advocacia ainda enfrenta com a informatização do sistema, “mas é inevitável! É uma grande ferramenta para os advogados, inclusive em razão de distância. Então o curso é de extrema importância! Sempre será concorrido por novos e antigos advogados que precisam atualizar e se familiarizar com o PJ-e,” afirma.

Uma das alunas  foi a Graziele Helena Guimarães que também faz parte da Diretoria da 20º subseção e Presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB Varginha. A advogada parabenizou a iniciativa da CAA Vanguarda em proporcionar eventos como esse, “nos dias de hoje como a advocacia está mais moderna, a informatização está vindo para auxiliar e facilitar a vida do advogado. Eventos dessa natureza são de extrema importância não só para os jovens advogados, mas também para aqueles que estão rompendo os paradigmas e iniciando uma nova forma de advogar”, afirma.

A representante/ Delegada da CAA Vanguarda em Varginha, Roberta Menezes falou da satisfação que é receber a professora e o curso. “O PJ-e é uma realidade em quase todos os segmentos do Judiciário e nós advogados, nem sempre conseguimos acompanhar as mudanças do sistema e aproveitar tudo que essa ferramenta nos oferece. Agradecemos à CAA Vanguarda pela realização do curso que será importantíssimo para nossa subseção. Muito obrigada Dra. Gláucia Campolina, muito obrigada CAA”, finaliza.

Sobre PJ-e e Jp-e

Desde o ano de 2014, a Caixa de Assistência mineira oferece a certificação digital para os profissionais do Direito, assim como cursos sobre PJ-e e JP-e. Os sistemas são desenvolvidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com os tribunais e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para a automação do Judiciário.

Resolução 185/2013 do CNJ, que instituiu o Sistema Processo Judicial Eletrônico (PJE), estabeleceu regras para a sua implementação, obrigando todos os tribunais a adotarem este sistema até o fim de 2018. Alguns tribunais já adotaram, mas ainda encontram-se, no Brasil, diversos sistemas diferentes.

Gláucia Campolina

Gláucia Campolina é advogada, fundadora da “Camargos Campolina Sociedade Individual de Advocacia”. É pós-graduada pela PUC-MG em Direito Processual (individual de advocacia), especialista em Direito do Trabalho, professora titular da pós-graduação da Escola Superior de Advocacia (ESA/MG), Conselheira Seccional da OAB/MG – gestão 2016/2018, e Conselheira Fiscal da AMAT/MG – gestão 2016/2018.

Postagens Recomendadas

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar