Advocacia de Pouso Alegre recebe curso de PJ-e

 Em caamg, caavanguarda, Institucional

Durante a noite de ontem (16/07), e a manhã de hoje (17/07), a advocacia de Pouso Alegre recebeu o curso de PJ-e ministrado pela professora Gláucia Campolina e ofertado sem custo pela Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais – CAA Vanguarda.

O presidente da 24º subseção/ Pouso Alegre, Luiz Paulo Moreira afirma que quem mais ganha com esse aprimoramento do advogado (a), é o jurisdicionado. “Essa parceria da Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais e a OAB Pouso Alegre têm justamente essa conotação, de aprimorar o advogado e a advogada para que se tenha uma rápida prestação jurisdicional”, conta.

O Diretor Regional da CAA Vanguarda, Omar Furtado também elogiou a parceria da CAA e a OAB Pouso Alegre e citou as facilidades que o Processo Judicial Eletrônico oferece. “Irá facilitar e agilizar a tramitação dos processos e a vida do advogado que não terá que deslocar-se ao Fórum toda hora, não será preciso utilizar papel, então é um processo inclusive, ecológico”, afirma.

O delegado da CAA na 24º subseção, Régis Rebello agradeceu a vinda do curso ofertado pela CAA – instituição que representa. “Só temos a agradecer em razão de se tratar de um ensino fundamental que vem sendo de extrema importância para o exercício da advocacia. Nós sabemos que o PJ-e trouxe avanços, mas também dificuldades para os operadores do Direito. Cursos como esse só vem a colaborar com o exercício da advocacia”, afirma.

A advogada, Graziela Brianezi participou do curso e falou sobre a mobilidade do PJ-e como uma das qualidades do Processo. “É uma realidade que possibilita uma grande mobilidade do advogado e nos permite peticionar e acompanhar o processo de qualquer lugar que estivermos”, afirma.

 

Sobre PJ-e e Jp-e

Desde o ano de 2014, a Caixa de Assistência mineira oferece a certificação digital para os profissionais do Direito, assim como cursos sobre PJ-e e JP-e. Os sistemas são desenvolvidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com os tribunais e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para a automação do Judiciário.

Resolução 185/2013 do CNJ, que instituiu o Sistema Processo Judicial Eletrônico (PJE), estabeleceu regras para a sua implementação, obrigando todos os tribunais a adotarem este sistema até o fim de 2018. Alguns tribunais já adotaram, mas ainda encontram-se, no Brasil, diversos sistemas diferentes.

Gláucia Campolina

Gláucia Campolina é advogada, fundadora da “Camargos Campolina Sociedade Individual de Advocacia”. É pós-graduada pela PUC-MG em Direito Processual (individual de advocacia), especialista em Direito do Trabalho, professora titular da pós-graduação da Escola Superior de Advocacia (ESA/MG), Conselheira Seccional da OAB/MG – gestão 2016/2018, e Conselheira Fiscal da AMAT/MG – gestão 2016/2018.

Você pode gostar destes também:

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar